25 de maio de 2024 06:06

PROIFES-Federação discute conjunturas políticas e realidade da educação superior brasileira durante XIII Conferência Regional da IEAL

Nesta segunda-feira (08), segundo dia da XIII Conferência Regional da Internacional da Educação para a América Latina (IEAL), aconteceu uma série de análises das conjunturas políticas e das realidades dos sistemas educacionais em cada um dos países que compõem a IEAL.

Representando o PROIFES, a professora Ana Boff de Godoy, diretora de Relações Internacionais e Assuntos Sindicais da Federação, expôs a realidade da educação superior federal brasileira com ênfase na influência da extrema direita e neoliberalismo na educação e na carreira dos docentes.

“O Brasil conseguiu se livrar de Bolsonaro, mas não nos livramos da extrema direita e do neoliberalismo. É importante ter presente que para que Lula voltasse ao governo foi feita uma frente ampla com setores neoliberais. Um deles foi exatamente o da Educação. Hoje, temos um ministro da educação que representa grupos de comércio educativo, sobretudo da Fundação Lemann, que tem controle quase total do ministério da Educação. É fundamental, então, que tenhamos consciência de que a educação pública brasileira está sequestrada por interesses mercantis”, destacou Ana Godoy.

Do ponto de vista da educação superior, Ana apresentou que, no Brasil, há 2.608 instituições de educação superior, sendo que 2.306 são privadas e somente 302 são públicas. Em números de matrículas, temos cerca de 8 milhões e seiscentas mil matrículas no ensino superior, sendo pouco mais de 6 milhões e meio de matrículas nas instituições privadas, que contam cada vez mais com financiamentos, inclusive do poder público.

“Essas instituições estão cada vez mais atrativas, pois além das bolsas e financiamento, os preços dos cursos estão cada vez mais baixos e podem ser concluídos cada vez mais rápido, sendo que a maior parte dessas instituições oferece o ensino à distância, inclusive para cursos como o de Educação Física. Apesar disso, as universidades públicas são as que figuram nos rankings de excelência de qualidade e são e são responsáveis por mais de 95% das pesquisas científicas em nosso país. É importante esclarecer que, no Brasil, as universidades públicas são também gratuitas”, afirmou Ana Godoy.

No que diz respeito à carreira dos docentes do ensino superior, a Diretora destacou que “ para se chegar à docência nesse nível é preciso fazer concurso público e ter, além do Mestrado, Doutorado. Mas nosso salário é um dos mais baixos do serviço público. Recebemos, no fim de carreira, um salário equivalente ao salário de início da carreira de um assistente jurídico, ou seja 3.500 a 4.000 dólares mensais. Isso, no final da carreira, depois de 30 ou 35 anos de dedicação à educação pública superior, à pesquisa, à extensão, à administração das universidades e à pós-graduação”.

Ana Godoy ressaltou ainda que no Brasil os docentes, sobretudo os pesquisadores, estão buscando lugares melhores para trabalhar, porque além dos salários baixos, a profissão não é respeitada. “O que já foi motivo de orgulho e símbolo de status, hoje é de vergonha. O Brasil é o primeiro país no ranking de violência contra professores. Temos um aumento progressivo de licenças-saúde no ensino superior, com professores e professoras cada vez mais doentes tanto física quanto psicologicamente. Nos últimos 6 anos, tivemos uma diminuição de 76% na procura de cursos de licenciatura, responsáveis por formar novos professores. De maneira que se o governo Lula não olhar para a Educação com coragem suficiente para enfrentar as próprias alianças que fez para poder se eleger, a educação superior estará fadada ao fim, pelo simples fato de que não haverá mais docentes e servidores técnicos nas universidades”, finalizou.

Durante todo o dia foi apresentado ainda um panorama da situação da educação na Finlândia e nos Estados Unidos com uma discussão sobre as tendências regionais do comércio em educação na América Latina. Além disso, Gabriela Bonilla, pesquisadora do Observatório Latino-americano de Políticas Educativas (OLPEN), apresentou o documento da IEAL do Observatório Latino-Americano de Políticas Educativas, o qual elenca e analisa as cinco reformas permanentes do neoliberalismo para desmantelar o sistema educativo e as condições de trabalho da educação.

A pesquisadora lembrou que América Latina é campo propício para o comércio da educação, visto que tendemos a acreditar que não é um problema pagar pela educação, uma vez que teremos um retorno futuro. Isso facilita o avanço da filantropia evangélica e neoliberal, a exploração/comércio da fé em aliança com interesses econômicos e grupos políticos que já estão há quarenta anos deslegitimando trabalhadoras e trabalhadores da educação.

Gostou do conteúdo? compartilhe!

Pular para o conteúdo