PROIFES-Federação entrega ao Governo contraproposta de reestruturação de carreira do Magistério Superior e EBTT

Na última segunda-feira (25) o PROIFES-Federação encaminhou para o Ministério da Gestão e Inovação em Serviços Públicos (MGI) a contraproposta de reestruturação de carreira do Magistério Superior e Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT). A Federação aguarda a marcação da próxima mesa de negociação específica para debater as propostas apresentadas com o Governo e na próxima quarta-feira (03) irá se reunir com a SESU (Secretaria de Educação Superior do MEC) para também discutir o tema.

O documento contém uma proposta de reajustes em 2024, 2025 e 2026 de modo que em 2026 a malha salarial cumpra com o Piso Salarial Nacional (Lei 11.378, de 16/07/2008), reajustado considerando a projeção do IPCA de 2024 em 4% e o de 2025 em 4%. Ou seja, considerar em 2026 o salário de entrada do professor 40H graduado como sendo R$ 4.954,34.

Os reajustes propostos no documento são: 9,39% em 2024 (a justificativa para esse índice em 2024 é que na malha salarial da carreira proposta o Professor 40H, graduado, na Classe C/DIII, nível 1, teria o cumprimento do piso, ou seja, os aprovados no estágio probatório já teriam pelo menos o piso do professor em 2024), 6,82% em 2025 e 6,82% em 2026.

Dentre os pontos apresentados estão ainda a extinção das Classes A/DI e B/DII e criação de uma nova classe de três anos, provisoriamente chamada de “Classe de Entrada”, que passaria a ser a nova entrada nas carreiras.

“Apresentamos uma contraproposta que contempla reajustes até 2026, mantendo os atuais 19 anos da carreira e a isonomia entre o Magistério Superior e o EBTT. A nossa carreira precisa voltar a ser atrativa. As universidades federais têm os melhores cursos de graduação, têm os melhores cursos de pós-graduação, grande parte da pesquisa nacional é feita nas universidades federais, então uma carreira desvalorizada coloca em risco o país, coloca em risco toda a soberania nacional, uma vez que precisamos investir em ciência, tecnologia, e para fazer isso as universidades são atores principais em todo esse processo. Precisamos que os talentos estejam dentro das universidades, estudamos pelas pessoas, pesquisadores, trabalhando com satisfação”, explica o Diretor de Assuntos Educacionais do Magistério Superior, Geci Silva.

No vídeo abaixo, GecI Silva fala sobre  a contraproposta apresentada, confira:

Veja na íntegra a contraproposta apresentada:

https://proifes.org.br/wp-content/uploads/2024/03/Oficio-No-29-2024-contraproposta-1_240326_125905.pdf

Gostou do conteúdo? compartilhe!

Pular para o conteúdo